Notícias
Clipping – G1 - Piauí está entre os três estados com maiores taxas de mortalidade materna do país
Segundo pesquisa, 92% dos casos poderiam ser evitados. Mães relatam problemas de infecção hospitalar durante após cirurgia cesariana.

O Piauí tem uma das três maiores taxas de mortalidade materna do país. Pacientes e médicos culpam a falta de estrutura e recursos para a saúde, já que 92% dos casos poderiam ser evitados.

Enquanto a média nacional em 2016 ficou 64 óbitos, no Piauí, a média foi de 108. No ano de 2014, a média foi de 86, número superior a estabelecida pela Organização Mundial da Saúde, que é de 20 óbitos.

"A meta era diminuir até 2030 para 20 mortes maternas para cada 100 mil nascidos vivos, que é uma meta aceitável. É um absurdo, porque 92% das mortes maternas são evitáveis, ou seja, se fizesse o certo não iria acontecer", declarou a obstetra Lia Damásio, conselheira do Conselho Regional de Medicina (CRM).
Uma mãe, que preferiu não ser identificada, teve a filha no dia 1º de outubro, em uma cirurgia cesariana de urgência. No dia 8, ela precisou retornar a maternidade porque sentia muitas dores.

"No segundo dia que eu estava em casa, eu percebi um inchaço na cirurgia e uma vermelhidão. A minha recuperação foi péssima da cesárea, até então eu achava que era normal porque eu nunca tinha feito uma cirurgia, mas chegou a um ponto que eu não conseguia caminhar mais e precisava de ajuda para tudo", contou.

Um erro que poderia ter custado a vida dela e da filha. Além da demora na cirurgia, o documento de controle da paciente aponta que ela teve um parto normal, quando na verdade foi uma cesárea de urgência. E ainda 39 semanas de gestação, ao invés de 41.

"A gente percebe que é um grande descaso, porque tudo que acontece na maternidade, que gera certa preocupação na gente, pra eles é normal. Uma infecção é algo que pode acontecer, mas pra gente não, a gente sabe que é algo que pode ir para o sangue e pode levar a óbito", disse a mãe.

Outra mãe passou nove dias internada, tomando antibiótico, após ter infecção. O caso dela aconteceu no Ciamca, Maternidade Wall Ferraz, no Dirceu.

A assessoria da Fundação Municipal de Saúde (FMS) informou que a maternidade Ciamca tem o trabalho de controle de infecção em todas as mulheres submetidas a cesariana. Elas recebem acompanhamento pós-cirurgia e a realização da cirurgia segue o protocolo pelo Ministério da Saúde, que se baseia na complexidade, ou seja, na urgência obstétrica que cada caso apresenta.

Fonte: G1

NOTA DE RESPONSABILIDADE:
As notícias aqui veiculadas visam unicamente transmitir informações oriundas das fontes indicadas. A Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Rio Grande do Sul (ARPEN-RS) se exime e não assume qualquer responsabilidade pelo teor do conteúdo publicado, posto que as publicações explanadas não representam necessariamente o posicionamento da diretoria desta Associação. Os assuntos ora veiculados, são de responsabilidade única e exclusiva de quem os subscrevem.
Espaço do Associado
Entrar


ARPEN-RS - Rua Cel. Genuíno, 421 - Sala 302 - 3º andar - Centro Histórico - 90010-350 - Porto Alegre - RS - Telefone e Fax: (51) 3225-6428 - arpenrs@arpenrs.com.br