Notícias
Clipping – CBN Curitiba - Eleitora transexual diz que o uso do nome social vai evitar constrangimentos na eleição
Em todo o Paraná, são 306 pessoas que vão ser identificadas no local de votação pelo nome social e identidade de gênero. A inclusão do nome social no título de eleitor foi permitida após uma resolução do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) aprovada em março.

A gerente de restaurante Larissa Azevedo, de 30 anos, é uma das eleitoras que utilizará o nome social no título de eleitor. Larissa mora em Curitiba, ela conta que desde sempre se identificou como uma criança “diferente”.

Criada em família conservadora, na religião evangélica, ela cresceu frequentando a igreja. Aos 18 anos se assumiu como um homem gay, mas após a repressão familiar casou com uma mulher aos 21 anos. O casamento durou quatro anos, deste relacionamento teve um filho, que hoje tem oito anos de idade. Há três anos, Larissa se identifica como transexual.

Em março o Supremo Tribunal Federal autorizou que pessoas trans podem alterar o nome e o sexo no registro civil sem que se submetam a cirurgia, para isso basta ir até um cartório. No caso de Larissa, o processo é mais complicado, porque os documentos do filho também teriam que passar por alteração.

Por isso, com a permissão da mudança do título de eleitor, a gerente acredita que é o primeiro passo para que consiga mudar todos os outros documentos.

Os eleitores tiveram o prazo de 3 de abril a 9 de maio para solicitar a inclusão do nome social no título de eleitor e no caderno de votação das Eleições 2018.
A gerente contou que passou por diversas experiências ruins ao tentar explicar que o nome masculino que estava no RG realmente era o dela.

Larissa acredita que o uso do nome social na eleição vai evitar constrangimentos como os que viveu. Situações que muitas vezes colocam em xeque a existência da pessoa transexual.

A data para solicitação do uso do nome social nesta eleição já passou. Mas, após o pleito, qualquer cidadão que for fazer o título de eleitor ou já possui o documento pode solicitar a mudança, inclusive menores de 18 anos.

Não é preciso apresentar nenhum tipo de documento no qual conste o nome social. A autodeclaração do eleitor é suficiente para a Justiça Eleitoral.
Repórter Francielly Azevedo

Fonte: CBN Curitiba
NOTA DE RESPONSABILIDADE:
As notícias aqui veiculadas visam unicamente transmitir informações oriundas das fontes indicadas. A Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Rio Grande do Sul (ARPEN-RS) se exime e não assume qualquer responsabilidade pelo teor do conteúdo publicado, posto que as publicações explanadas não representam necessariamente o posicionamento da diretoria desta Associação. Os assuntos ora veiculados, são de responsabilidade única e exclusiva de quem os subscrevem.
Espaço do Associado
Entrar


ARPEN-RS - Rua Cel. Genuíno, 421 - Sala 302 - 3º andar - Centro Histórico - 90010-350 - Porto Alegre - RS - Telefone e Fax: (51) 3225-6428 - arpenrs@arpenrs.com.br