Notícias
Americana ganha na Justiça direito de ser considerada casada com companheira que morreu em maio
Bonnie Foerster e Beverly Grossaint viveram juntas por 50 anos e não se casaram antes por problemas de saúde e medo de que união interferisse em seguro médico. 'Sou uma noiva velha, mas sou uma noiva feliz', comemorou Foerster perante o juiz.

onnie Foerster e Beverly Grossaint se conheceram em 1968, se apaixonaram imediatamente e viveram juntas por 50 anos. Na última terça-feira (21), finalmente, um juiz reconheceu o casamento das duas.

O fato de Grossaint, de 82 anos, ter morrido em maio deste ano não diminuiu a alegria de Foerster, de 74, pela conquista. “Sou uma noiva velha, mas sou uma noiva feliz”, disse ela ao jornal “The Salt Lake Tribune”, que contou a história do casal. “Estou zonza de felicidade. Estou casada...sou uma mulher casada. Esperei 50 anos”, acrescentou, enxugando as lágrimas.

O reconhecimento de um casamento no qual uma das partes já faleceu é raro, mas não inédito, segundo o advogado de Foerster, Roger Hoole.

As duas não celebraram a união legalmente quando Grossaint ainda estava viva porque, quando a lei passou a permitir os casamentos gays, ela já enfrentava graves problemas de saúde.

As duas também temiam que uma mudança no estado civil interferisse no Medicaid de Foerster, o seguro-saúde que custeia seus tratamentos médicos. Como viúva, nada muda.

Preconceito
Foerster diz que as duas “nasceram uma para a outra” e nunca esconderam o relacionamento de ninguém, mesmo enfrentando muito preconceito. “Você tem que se posicionar pelo que é certo”, explica.

Assim, o casal participou da primeira parada gay de Nova York, em 1970, uma história que ela contou ao juiz que validou seu casamento. “Pessoas jogaram lixo na gente. Fomos para casa, tomamos banho e ficamos limpas. Aquelas pessoas ainda têm lixo em suas mãos”, afirmou.

As duas, que se conheceram em 1968, quando Foerster fugia de um marido abusivo que a havia deixado com duas costelas quebradas e um olho roxo, se mudaram para Utah em 1979, para cuidar da mãe de Grossaint, que estava doente.

Mais tarde, Grossaint passou a cuidar da própria companheira, que teve que se aposentar por problemas de saúde: nos últimos 30 anos, Foerster foi submetida a 29 cirurgias na coluna e teve câncer de mama e câncer cervical, além de sofrer uma degeneração muscular que a deixou legalmente cega. Em 2016, ela teve uma inflamação nos ossos e precisou sofrer uma amputação das duas pernas acima dos joelhos.

Nos últimos três anos, porém, a situação se inverteu e, mesmo com dificuldades, Foerster passou a cuidar de Grossaint, que sofreu de enfisema e insuficiência cardíaca crônica, até falecer em 27 de maio deste ano.
Data
Bonnie Foerster ainda não sabe com certeza em qual data irá comemorar seu aniversário de casamento, mas não se importa muito. Na petição de seu advogado, consta 26 de junho de 2015, dia em que a Suprema Corte dos EUA tornou o casamento entre pessoas do mesmo sexo legal em todo o país.

Mas o juiz Patrick Corum, que legalizou a união, sugeriu 20 de dezembro de 2013, quando o casamento gay se tornou legal no estado de Utah, ou até mesmo 1968, quando Foerster e Grossaint começaram a viver juntas.

Ao final, o mais importante, como o próprio juiz ressaltou, é que o casamento das duas agora é válido. Corum fez questão, inclusive, de deixar seu assento, caminhar até a cadeira de rodas da noiva e a abraçar.

“Não há nenhum oficial de justiça aqui. Não conte para ninguém”, brincou.

Foto: Francisco Kjolseth/The Salt Lake Tribune via AP
Fonte: G1

NOTA DE RESPONSABILIDADE:
As notícias aqui veiculadas visam unicamente transmitir informações oriundas das fontes indicadas. A Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Rio Grande do Sul (ARPEN-RS) se exime e não assume qualquer responsabilidade pelo teor do conteúdo publicado, posto que as publicações explanadas não representam necessariamente o posicionamento da diretoria desta Associação. Os assuntos ora veiculados, são de responsabilidade única e exclusiva de quem os subscrevem.
Espaço do Associado
Entrar


ARPEN-RS - Rua Cel. Genuíno, 421 - Sala 302 - 3º andar - Centro Histórico - 90010-350 - Porto Alegre - RS - Telefone e Fax: (51) 3225-6428 - arpenrs@arpenrs.com.br