Notícias
Clipping – Folha de Londrina - 'Ter o sobrenome completou'
Este Dia dos Pais terá um gosto especial para a estudante de biomedicina Gabriela Miranda Luiz Marasca Guerra e o funcionário público Ronaldo Oliveira Guerra, já que será a primeira comemoração em que eles oficialmente serão pai e filha.

Ele conta que começou a se relacionar com a mãe de Gabriela, a advogada Ramadis Miranda Luiz Guerra há 18 anos, quando a menina tinha quase dois anos de idade. Foram oito anos de namoro, dez de casamento, nasceu a caçula Ana Clara e o amor entre pai e filha só crescia. Partiu de Gabriela a vontade de ter o nome do pai socioafetivo, mas até então o procedimento era demorado e feito somente por via judicial, sem a certeza de que o juiz concederia.

"Fomos deixando, mas para mim ela sempre foi minha filha, sempre se relacionou com toda a família. Na escola ela chegou a assinar Guerra quando pequena, eles nos chamaram para conversar e explicar que não poderia", conta Ronaldo.

"Tenho bastante proximidade com a família do meu pai, tenho primos em idade próxima e eu queria ter o mesmo nome que eles. Quando comecei a escrever nas provas disseram que por ser um documento eu não poderia fazer isso. Quando minha mãe descobriu que poderíamos fazer (a alteração) no cartório, fomos ver. Ele é meu pai, não me lembro de estar sem ele. Ter o sobrenome completou, foi o fechamento com chave de ouro", diz.

O procedimento foi todo feito em cartório, mediante a assinatura dos pais biológicos, de Gabriela e de Ronaldo. Além do nome do pai socioafetivo na certidão de nascimento, ela também ganhou dois avós. "Foi uma surpresa, eu não tinha pensado nisso e quando contei para a família todo mundo ficou feliz", afirma Gabriela.

Ronaldo relata que só sentia falta do registro oficial quando a identificava como filha e não tinha como comprovar, como em viagens. "Tinha ocasiões em que as pessoas não entendiam, elas olhavam o documento e não tinha o meu nome. As pessoas veem documento, não veem afeto", lamenta.

Para Ramadis, ver os laços de amor entre pai e filha a faz ter a sensação de dever cumprido. "Aí você vê que fez a escolha certa. Quando o filho escolhe (o marido como pai) é porque você acertou!" (E.G)

Fonte: Folha de Londrina



NOTA DE RESPONSABILIDADE:
As notícias aqui veiculadas visam unicamente transmitir informações oriundas das fontes indicadas. A Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Rio Grande do Sul (ARPEN-RS) se exime e não assume qualquer responsabilidade pelo teor do conteúdo publicado, posto que as publicações explanadas não representam necessariamente o posicionamento da diretoria desta Associação. Os assuntos ora veiculados, são de responsabilidade única e exclusiva de quem os subscrevem.
Espaço do Associado
Entrar


ARPEN-RS - Rua Cel. Genuíno, 421 - Sala 302 - 3º andar - Centro Histórico - 90010-350 - Porto Alegre - RS - Telefone e Fax: (51) 3225-6428 - arpenrs@arpenrs.com.br