Notícias
Clipping – Correio Braziliense - Estrangeiro registra bebê que não era dele para conseguir cidadania
O homem prometeu ajudar financeiramente a mãe em troca de conseguir assumir a paternidade da criança

Um chinês que estava em situação ilegal no Brasil foi condenado pelo Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios (TJDFT) por registrar uma criança que não era dele para conseguir regularizar a cidadania no país. O réu recorreu, mas a decisão foi mantida em segunda instância e ele foi condenado a dois anos de prisão em regime aberto. No entanto, a sentença foi substituída por duas penas privativas de direitos, a serem definidas pelo juiz.

De acordo com a denúncia oferecida pelo Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT), o estrangeiro chegou ao Brasil em 2006 e tinha uma banca na Feira dos Importados. Uma das funcionárias do local tinha uma amiga, que estava grávida. O chinês perguntou a ela sobre o pai da criança. Quando a moça respondeu que não sabia do paradeiro, o réu sugeriu registrar o bebê como sendo filho dele e, em troca, ajudaria a mãe financeiramente.

A grávida aceitou e, quando a criança nasceu, os dois foram juntos ao cartório. No entanto, o estrangeiro não cumpriu com a parte do trato e, por isso, a mulher ajuizou uma ação de alimentos para receber o auxílio prometido. Foi por meio do relato da mãe e da funcionária da banca que o MPDFT teve conhecimento do crime. As duas afirmaram, ainda, que a mãe nunca teve relações com o homem.

O réu, por outro lado, afirmou que havia se envolvido com a mulher e que, após certo período, ela apareceu grávida afirmando que o filho era dele. Disse, ainda, que ele não foi ao cartório fazer o registro, tendo apenas entregado o passaporte dele à mulher. No entanto, o MP verificou que a versão era falsa, já que a certidão de nascimento do menor consta como declarante o réu, demonstrando que ele esteve presente no cartório.

"O conjunto probatório, portanto, não deixa dúvida de que o réu, de forma voluntária e consciente, registrou o menor como se fosse seu filho, mesmo sabedor que o verdadeiro pai era outro, ficando caracterizado o dolo da conduta", conclui o relator do processo, o desembargador Jesuino Rissato.

Ainda cabe recurso da decisão.

Fonte: Correio Braziliense

NOTA DE RESPONSABILIDADE:
As notícias aqui veiculadas visam unicamente transmitir informações oriundas das fontes indicadas. A Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Rio Grande do Sul (ARPEN-RS) se exime e não assume qualquer responsabilidade pelo teor do conteúdo publicado, posto que as publicações explanadas não representam necessariamente o posicionamento da diretoria desta Associação. Os assuntos ora veiculados, são de responsabilidade única e exclusiva de quem os subscrevem.
Espaço do Associado
Entrar


ARPEN-RS - Rua Cel. Genuíno, 421 - Sala 302 - 3º andar - Centro Histórico - 90010-350 - Porto Alegre - RS - Telefone e Fax: (51) 3225-6428 - arpenrs@arpenrs.com.br