Notícias
Clipping – Migalhas - Métodos consensuais é alternativa para dar celeridade ao sistema Judiciário
O Brasil é conhecido como o país do litígio e o "título" faz jus ao número de causas.
Recorrer à Justiça para atrasar e postergar a execução dos diretos de alguém é uma estratégia utilizada por muitas pessoas. Essa atitude é definida como o uso predatório da Justiça e gera danos para a máquina judiciária e para a própria sociedade.
O CPC/15 restringiu o número de recursos protelatórios, mas ainda assim a possibilidade de recorrer de uma decisão é alta, e o resultado disso reflete no tempo de espera no Judiciário. Uma ação que deveria ser simples pode passar mais de 10 anos em tramitação.
"Habitualmente, ouvimos que a Justiça pode ser utilizada com a finalidade de uma das partes ganhar tempo ou até mesmo fazer com que a outra parte desista de seus direitos. Além disso, percebe-se que algumas pessoas utilizam o processo como forma de revanche. Assim, as situações que realmente precisam da intervenção do Judiciário acabam sendo prejudicadas, pela demasiada espera de apreciação", explica a coordenadora da Vamos Conciliar, Paula Rocha.
O Brasil é conhecido como o país do litígio e o "título" faz jus ao número de causas. De acordo com o Relatório Justiça em Números, do Conselho Nacional de Justiça (ano base 2016), a cada dois brasileiros, um estava litigando judicialmente. O relatório ainda mostrou que foram 109,1 milhões de processos em 2016, e apenas 27% foram solucionados.
"O uso predatório da Justiça causa o abarrotamento do Judiciário, a solução pacífica dos conflitos é a melhor alternativa para dar celeridade a resolução de uma questão. O procedimento é econômico, rápido e seguro, mas para que as pessoas o utilizem, é necessário mudar o pensamento da sociedade e toda mudança de cultura leva tempo", explica Paula.

Fonte: Migalhas


NOTA DE RESPONSABILIDADE:
As notícias aqui veiculadas visam unicamente transmitir informações oriundas das fontes indicadas. A Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Rio Grande do Sul (ARPEN-RS) se exime e não assume qualquer responsabilidade pelo teor do conteúdo publicado, posto que as publicações explanadas não representam necessariamente o posicionamento da diretoria desta Associação. Os assuntos ora veiculados, são de responsabilidade única e exclusiva de quem os subscrevem.
Espaço do Associado
Entrar


ARPEN-RS - Rua Cel. Genuíno, 421 - Sala 302 - 3º andar - Centro Histórico - 90010-350 - Porto Alegre - RS - Telefone e Fax: (51) 3225-6428 - arpenrs@arpenrs.com.br